Formação teológica nos Cursos Básico, Médio e Avançado em teologia

Cursos Básico, Médio e Avançado em Teologia, a partir de R$ 16,90.

Gostaria de se aprofundar nas Sagradas Escrituras e conhecer melhor o poder de Deus? Então está no caminho certo!

Cursos Básico, Médio e Avançado em teologia

Outros cursos de capacitação

A vida é um eterno preparo. Quanto mais treinado, mais fácil será a dança!

Cursos de capacitação em teologia ead - Formação teológica para o obreiro aprovado

Cursos de Capacitação em Teologia.

Tem uma visão interdenominacional onde se pretende manter a ênfase no ensino da Palavra de Deus, visando a ortodoxia bíblica e doutrinária!

Mostrando postagens com marcador Cursos de capacitação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Cursos de capacitação. Mostrar todas as postagens

24/11/2020

Qual a diferença entre o que é bíblico e o que é evangélico?

 

Nem tudo o que é evangélico, é bíblico



By Pr. Eugênio. 

Introdução 

O cristianismo brasileiro é, muitas vezes, uma aberração. A versão tupiniquim do cristianismo é mais evangélica do que bíblica. Nesse cristianismo evangélico, presenciamos uma mistura (sincretismo) de espiritismo, umbanda e pensamento positivo, em linguajar aparentemente bíblico.

Nessa cultura evangélica – diga-se de passagem, muitas vezes não bíblica –, uma das várias aberrações que presenciamos, é a falta de compreensão do ser humano.

A principal causa desse terrível engano é a compartimentalização do ser humano. Na cultura evangélica, o ser humano é corpo, alma e espírito. Há até texto bíblico citado pelos evangélicos para citar esse dogma. Aliás, esse é outro erro praticado pelos evangélicos, tomar deliberadamente textos amputados de seus contextos, para interpretá-los como se não houvesse uma história responsável pela existência desses textos.

O principal texto utilizado para essa compreensão errônea do ser humano como um ser subdividido em três ambiências, é o de 1 Tessalonicenses 5.23:  “Que o próprio Deus da paz os santifique inteiramente. Que todo o espírito, alma e corpo de vocês seja conservado irrepreensível na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (NVI).

Uma leitura rasa e apressada parece nos levar ao ensinamento de que o ser humano é espírito, alma e corpo. Para repensarmos o que a Bíblia compreende sobre o ser humano, precisamos, a partir desse mesmo versículo, buscar entendimento sobre o coração do texto.

Isso implica no quê?

Primeiro: há um objetivo na carta aos tessalonicenses. Dentro desse objetivo, há ideias que vão se sucedendo, para responder aos anseios dos irmãos que moravam em Tessalônica naquela época.

Segundo: compreendendo o objetivo da carta aos tessalonicenses, poderemos entender qual o objetivo específico da ideia na qual está inserido o versículo 23 do capítulo 5.

Terceiro: descoberto o objetivo da ideia da qual faz parte o texto 5.23, poderemos partir para a compreensão que está sendo defendida sobre o ser humano.

Vamos lá?

Cursos de capacitação em teologia


O objetivo da carta aos tessalonicenses

Todos os livros da Bíblia são respostas a perguntas. Se partirmos da ideia de que eles são respostas, o nosso desafio será descobrir quais eram as perguntas. Tendo as perguntas entendidas, será fácil deduzirmos os objetivos de cada livro da Bíblia.

No caso da primeira carta aos tessalonicenses, Paulo estava respondendo perguntas formuladas pelos irmãos de Tessalônica. Do capítulo 1 ao capítulo 3, Paulo relembra com os irmãos tessalonicenses, sua visita juntamente com Silvano e Timóteo, e o envio de Timóteo aos irmãos. Além disso, ele lhes escreve sobre a sua alegria ao saber de sua perseverança em servir ao Senhor Jesus. Como toda carta escrita por Paulo, a primeira parte sempre é um escrito de gratidão e manifestação de saudade e carinho aos leitores da carta enviada.

A segunda parte da carta aos Tessalonicenses inicia no capítulo 4, quando Paulo fala aos irmãos sobre os ensinamentos já repassados a eles, principalmente sobre uma vida vivida não mais de acordo com os desejos contrários à vontade de Deus. Em outras palavras, Paulo está respondendo às perguntas dos tessalonicenses, sobre santidade. Para Paulo, o ser humano deve ser santo em seus relacionamentos com os outros e consigo mesmo.

Por fim, no capítulo 5, encontramos a terceira parte da carta, que segue a ideia anterior de viver em santidade, ampliando-a para a vinda do Senhor Jesus. O desenvolvimento dessa ideia é percebido a partir do versículo 11 até o  versículo 24. Quando Paulo apresenta esta lista, a sua ideia é falar sobre a inteireza do ser humano.

A ideia de Paulo sobre o ser humano

De maneira alguma, Paulo compartimentaliza o ser humano em três ambientes interdependentes. Enquanto na concepção evangélica, o corpo é considerado como o órgão que realiza o pecado, na Bíblia, a ideia do ser humano é integral, ou seja,  um ser integrado e coeso, sem divisões.

Quando Paulo escreve: “Que o próprio Deus da paz os santifique inteiramente. Que todo o espírito, alma e corpo de vocês sejam conservados irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo”, ele enfatiza alguns aspectos que os evangélicos negligenciam que Deus é quem santificará inteiramente; ou seja, a totalidade e integralidade do ser humano. Isso é percebido, pois Paulo não apresenta uma lista de atitudes erradas do corpo e outro da alma.

Em Gálatas, Paulo descreve a natureza humana pecaminosa de Carne. Entretanto, em momento algum, a Bíblia enfatiza que o nosso corpo é mal. Pelo contrário, o corpo humano é criação de Deus. A Carne, pelo contrário, é a natureza humana dominada pelo pecado e, como consequência, alienada de Deus! Com isso, o ser humano se opõe a Deus e se emaranha no pecado, à medida que se entrega às obras (desejos) da Carne. Esses desejos da Carne não se manifestam apenas na sensualidade, mas, em uma rebeldia religiosa na forma de justiça própria, ou seja, a confiança em si mesmo, como tendo a capacidade de procurar a vida através das forças e realizações próprias (veja Romanos 7.5).

Com isso, quando o ser humano peca, não é apenas o seu corpo, ou sua alma. É a sua totalidade. Ele é quem peca!

Conclusão

O ser humano não é tratado biblicamente, como um ser com divisões internas. Entender o ser humano em sua integralidade significa perceber que o ser humano completo, mais do que apenas uma ideia tricotomista, mas como a conjunção de corpo, intelecto, emoções, personalidade, temperamento, caráter, relacionamentos, cultura e cosmovisão. Nas palavras do Gênesis, enxergar o ser humano como uma coisa só: alma vivente (leia Gênesis 2.7).

Se tudo o que compõe o ser humano for dominado pelo pecado, isto será carnalidade, se tudo for dominado pelo Espírito, isto será santificação. Por esta razão Paulo lembra aos coríntios a ressurreição será completa no ser humano integral: “Assim será com a ressurreição dos mortos. O corpo que é semeado é perecível e ressuscita imperecível;
é semeado em desonra e ressuscita em glória; é semeado em fraqueza e ressuscita em poder; é semeado um corpo natural e ressuscita um corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual” (1 Coríntios 15.42-44).

Fonte: http://eucatastrofe.wordpress.com/2009/01/19/nem-tudo-o-que-e-evangelico-e-biblico-sobre-o-ser-humano